Proposta Pedagógica

Na Escola Húnika temos como prioridade o bem estar de nossos alunos, oferecendo condições para que tenham atitudes de aceitação, respeito e confiança.

Princípios Pedagógicos

Nosso trabalho baseia-se na Teoria Sociointeracionista, uma proposta que defende a ideia de que o conhecimento é construído pelo homem nas relações sociais.

O homem possui uma potencialidade natural para aprendizagem, tem uma curiosidade inata pelas coisas que o cerca, sente uma necessidade de aprender e evoluir. Cada indivíduo desenvolve sua própria inteligência e constrói o seu próprio conhecimento. O conhecimento é a aquisição interna, processada a partir de sucessivas e organizadas operações realizadas pelo indivíduo.

A aquisição do conhecimento é um processo amplo que exige, permanentemente, inúmeros esforços para superar obstáculos. A educação se carateriza em um esforço constante para aprender e reaprender. É uma dinâmica marcada por situações cada vez mais complexas.

Não há educação – ou pelo menos assim entendido – numa resposta que produza conformismo diante de uma dificuldade. Muito pelo contrário, cada resposta deve incentivar a multiplicação de novas perguntas que ampliem os horizontes cognitivos. Cada resposta deve implicar em novos e complexos desafios que, orientados de forma adequada, permitem, a ampliação de conhecimentos.

A aprendizagem é um processo social e como tal, depende da interação entre os indivíduos. É preciso que se respeite o processo de apropriação do conhecimento de cada um. O professor deve levar em consideração as diferenças existentes entre os alunos.

O ponto de partida não é o conteúdo a ser aprendido ou memorizado. O ponto de partida de toda a aprendizagem é o próprio aluno. O que realmente interessa é o que está se processando na mente do aluno e as relações que ele faz com o meio social.

Filosofia

A educação deve ser considerada como meio de desenvolvimento humano integral, vislumbrando um ser humano integro, consciente, eficiente e responsável, capaz de agir coletivamente, visando o bem comum de toda sociedade na qual está inserido, tornando esta sociedade mais justa e respeitada.

Para isso deve desenvolver no aluno, a criatividade, o espírito crítico, a capacidade para análise e síntese, o auto conhecimento, a socialização, a autonomia e a responsabilidade. Dessa forma, é possível a formação de um homem com aptidões e atitudes para colocar-se a serviço do bem comum.

A diversidade metodológica e a avaliação diagnóstica, processual e formativa devem estar comprometidas com uma aprendizagem inclusiva, em que o aluno, dentro da escola, aprenda de fato, lembrando que o desenvolvimento é um processo contínuo e que todos aprendem em seu ritmo.

O conhecimento deve ser construído e reconstruído, processualmente e continuamente, num contexto em que cuidados e educação se realizem de modo prazeroso e lúdico.

A participação dos educadores deve ser mesmo participação e não condução absoluta das atividades e centralização dessas em uma pessoa.